Onde deixar os filhos nas férias

Onde deixar os filhos em férias: quando a opção são os Avós

Em Psicologia clinica por Elisabete Condesso

Chegaram as férias escolares. É a época do ano mais ansiada pelos alunos, mas é ao mesmo tempo sinónimo de preocupação para muitos pais: onde deixar os filhos em férias durante os quase três meses!

Geralmente ambos os pais trabalham, pelo que não é opção ter os filhos em casa. Muitos pais recorrem à ajuda dos avós, até porque, face a determinadas dificuldades económicas das famílias, é a solução viável para poupar o dinheiro das atividades extra e que serve para adquirir alguns bens essenciais. A opção dos avós é benéfica para todos.

Os avós dispõem de tempo, pelo que não existem pressas. Por isso, eles conseguem entender-se facilmente com os mais novos. Os avós têm tempo para escutar, para criar cumplicidade, o que permite estabelecer uma relação privilegiada e muito benéfica com os seus netos. Além disso, os avós possuem um capital de vida e experiência que beneficia a criança. Os avós, através de brincadeiras ou relato de histórias, transmitem as bases da cultura e valores da família, que são importantes para o fortalecimento da autoimagem da criança.

Um alerta para os pais. Antes de deixar os seus filhos em férias com os avós, devem conversar com eles sobre até onde pode ir a sua permissividade. Existem regras que é preciso manter, mesmo que estejam em férias… Mantenha algumas rotinas (lavar os dentes após as refeições, horas de ir para a cama, tempo de assistir à televisão, …). Aposte na brincadeira e não poupe nos carinhos. As regras não são incompatíveis com o amor!

Elisabete Condesso / Psicóloga e Psicoterapeuta

© PsicoAjuda – Psicoterapia certa para si, Leiria

Sobre o Autor

Elisabete Condesso

Directora clínica da PsicoAjuda. Psicóloga clínica e Psicoterapeuta. Licenciada em Psicologia Clínica pela ULHT de Lisboa e com pós-graduação em Consulta Psicológica e Psicoterapia. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos. Título de especialista em “Psicologia clínica e da saúde” atribuído pela Ordem dos Psicólogos.