A quem se destina a Osteopatia?

A Osteopatia tem uma ampla indicação, desde o recém-nascido até ao idoso, passando pelas grávidas e pelos atletas. Conheça melhor aqui a quem se destina a Osteopatia, como é uma consulta, quais são as técnicas usadas e em que situações não é aconselhável a sua aplicação.

O Osteopata não tem a pretensão de curar, como fazemos questão de sublinhar durante a consulta de Osteopatia na PsicoAjuda. A cura é uma consequência de uma série de fatores e depende principalmente da vontade do paciente. Porém, liberando as imensas tensões a que o corpo humano está sujeito, o osteopata estimula o corpo do paciente a alcance a sua autocura.


A quem se destina a Osteopatia
É também importante realçar que na PsicoAjuda temos uma abordagem terapêutica integrada e multidisciplinar, e, se necessário, o paciente será reencaminhado para outros médicos e/ou especialistas, nomeadamente para as especialidades de Neurologia ou Acupuntura, ou mesmo Psiquiatria e Psicologia, que também estão disponíveis na nossa clínica, ou outras.
Além de saber a quem se destina a Osteopatia, importa ainda salientar que a Osteopatia não é aconselhável nalgumas situações, tais como o cancro dos ossos, a artrite reumatoide na fase aguda e a osteoporose avançada. Esses casos devem ser tratados por especialidades médicas, nomeadamente Reumatologia.

Como é uma consulta de osteopatia?

A consulta de Osteopatia tem a duração de 60 minutos, quer se trate de uma primeira consulta, ou das seguintes.
Na primeira consulta de Osteopatia, o terapeuta procura sempre descobrir a razão do sintoma, ou seja, da causa, para poder curar o doente.
A primeira fase consiste na realizado um diagnóstico osteopático. Assim, o Osteopata inicia a consulta procurando fazer uma avaliação detalhada do paciente, em que todo o histórico dos sintomas será abordado e interpretado. Após isso, serão feitos alguns testes específicos para a identificação da causa do problema, e consequente elaboração do diagnóstico osteopático.
Este diagnóstico é a base para definir o plano terapêutico, o qual inclui a aplicação de um conjunto de técnicas que permitem as correções fisiológicas e articulares, aconselhamento especifico sobre exercícios que o paciente pode efetuar, bem como quais as posturas corporais que são necessárias melhorar.

Como é o tratamento e quais as técnicas usadas?

A fase seguinte da consulta consiste no tratamento, ou seja, na utilização de técnicas manuais, a fim de aliviar os sintomas. Para isso, e utilizando as mãos como instrumento, o Osteopata recorre a variadas técnicas, em que destacamos as seguintes:
  • Técnicas musculares, que visam o tratamento dos músculos e tendões
  • Técnicas estruturais, que se destinam a reajustar uma articulação, mesmo se o seu deslocamento é mínimo e invisível nas radiografias
  • Técnicas cranianas, que são as mais subtis e que permitem tratar a totalidade do corpo partindo do crânio
  • Técnicas faciais que atuam sobre os tecidos fasciais do corpo humano
  • Técnicas viscerais que tratam dos órgãos e das relações entre eles
  • Técnicas linfáticas e imunitárias, que tratam o sistema linfático e o sistema imunitário
A duração do tratamento, incluindo quantidade de sessões e intervalo entre elas, depende da resposta de cada paciente, sempre em função da sintomatologia e resposta do corpo.
Apesar de ser possível notar uma melhora na primeira consulta, em média são necessárias 3 sessões para ter um bom resultado. No entanto, os resultados são muito individuais. De uma sessão para outra, o intervalo mínimo é de 1 semana.